1º ano de Mundo Gito

      Nenhum comentário em 1º ano de Mundo Gito
Compartilhar:

Em outubro completei um ano de Mundo Gito. Digo oficialmente, com domínio registrado e redes sociais ativas. Em 2016, por essa época, eu achava que estava vivendo o sonho de conteudista e finalmente iria “viver de blog”. Fazia o planejamento de posts, garantia presença online e supunha que tudo fluiria naturalmente. Ledo engano… Nesse tempo todo, muitas coisas mudaram, inclusive minhas perspectivas.

Se hoje fosse dar um conselho a alguém diria: cuidado com o que você deseja. Acredito piamente que o universo conspira para que nossos pensamentos se tornem realidade e, às vezes, é tudo ao mesmo tempo. É o que 2017 tem me ensinado.

No início do ano pintou uma oportunidade e tive que voltar meu lado empreendedor para uma organização que não a minha. Em outras palavras, estou novamente no mercado de trabalho. Não é bem o “mercado” porque se trata de uma instituição pública – que tem tudo a ver com outro projeto de vida que tenho, a docência no nível superior.

Aí foram meses de adaptação – que nunca chegou – pois todas as manhãs uma bebezinha acorda me perguntando se eu vou “tabalá” e abrindo um berreiro após a minha resposta afirmativa. Correria todos os dias, babá e malabarismo para ver quem vai ficar com ela quando não estou. Mas tudo tem se arranjado. Glórias!

Outras oportunidades vieram, desafios enriquecedores e estou aqui, no domingo à noite, escrevendo esse post antes de continuar um planejamento de aula que preciso entregar amanhã. Ainda tenho uma ementa e estruturar um curso até o fim do mês. Minha filha passou o dia com o pai, passeando e tive que abrir mão desse momento por conta do meu comprometimento com as coisas que me proponho.

Além disso, apareceu outra oportunidade de fazer uma pós em comunicação científica, algo que sempre tive vontade de aprofundar os conhecimentos e também tem a ver com meu plano de cursar o doutorado em breve. Então durante o dia estava envolta nas leituras para a semana.

Por isso, gente, volto ao meu conselho: cuidado com o que desejamos. Tudo isso que tem ocorrido na minha vida foram coisas que desejei e agradeço a Deus por cada uma delas. Comemoro cada “conquista” de objetivos que me coloquei. Mas isso tem um preço, tem uma renúncia a cada escolha. E tem muito equilíbrio para não deixar descompensar nada, principalmente a saúde.

Há um ano me imaginava mãe em tempo integral, como era. Chorei muito quando aceitei o trabalho, vivi a dor da separação – ainda vivo. É uma saudade enorme. Mas o que me deixa bem é que consegui me ver além da maternidade. Isso é muito difícil de pensar quando você está imersa no mundo mãe e cria. Mas é também algo necessário e libertador da mente, desperta ideias e projetos que estão ali adormecidos e são magicamente ativados quando a oportunidade aparece.

Então, reformulando meu conselho: saibamos o que desejar e aproveitemos quando os desejos se concretizarem. Quanto ao blog, informo que renovei o domínio e não pretendo largar este projeto. Boa semana e até breve!

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *